• Outubro Rosa

Outubro é conhecido mundialmente como um mês marcado por ações afirmativas de prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama.

Conhecida como Outubro Rosa, a campanha compartilha informações sobre o câncer de mama promovendo a conscientização da doença, proporcionando maior acesso aos serviços de saúde e diagnóstico precoce.

As ações realizadas durante o mês têm o objetivo de incentivar a prevenção e contribuem para a redução da mortalidade do câncer de mama da mulher.

É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do câncer de pele não melanoma.

O tumor responde, atualmente, por cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres.

Ele também acomete homens, porém é raro, representando menos de 1% do total de casos da doença.

Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente.

Existem vários tipos, porém alguns evoluem de forma mais rápida.

A postura atenta da mulher em relação à saúde das mamas significa conhecer o corpo e quais alterações são consideradas suspeitas.

Por isso, é fundamental para a detecção precoce dessa doença que o autoexame – exame de toque das mamas – que deve ser feito todos os meses, sempre, no quinto dia após a menstruação.


Prevenção


A prevenção do câncer de mama baseia-se no autoexame mensal e na realização de mamografia a cada dois anos, especialmente, em mulheres acima de 50 anos.

No entanto, o controle dos fatores de risco também é eficaz.

O estímulo aos fatores protetores são importantes devido ser por meio deles ser possível reduzir o risco de desenvolver a doença.

Além do controle de peso corporal e consumo de bebidas alcoólicas, recomendações de especialistas na prevenção da doença.

Para Luiz Porto, mastologista e membro do Comitê de Controle do Câncer no Ceará, a prevenção ajuda no diagnóstico precoce da doença, aumenta as chances de tratamento. “A mamografia deve ser feita pelo menos a cada dois anos, principalmente, em mulheres acima de 50 anos”, ressalta o especialista.

O médico alerta ainda para os fatores de risco comportamentais, que estão relacionados ao desenvolvimento do câncer de mama como o excesso de peso e a falta de atividade física. “Estima-se que com uma boa alimentação e atividade física é possível reduzir o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Por isso, é tão importante a mulher controlar seu peso, ter uma alimentação saudável e praticar exercícios pelo menos três vezes por semana, a amamentação também é considerada um fator protetor”, enfatiza.